Palhares e o Prefeito de SP João Dória: pensando no social

Falar com o prefeito de São Paulo João Dória não é exatamente algo trivial. Encontrá-lo por acaso, após algumas tentativas é ainda mais especial.

Participei de 2 eventos que prometiam a presença do prefeito, mas em nenhum deles esteve presente. Segundo seu assessor, desde que foi eleito o prefeito de uma das maiores cidades do mundo, sua agenda de compromissos voltaram-se aos assuntos de primeira necessidade a São Paulo, irrelevando deste modo sua aparição em festas privadas.

Assim, parecia que meu acesso ao Prefeito seria difícil, senão fosse uma ajudinha do destino mais uma vez me surpreendendo. Exatamente na mesma semana que busquei encontrar o prefeito em vão, na terça dia 31 de janeiro e na quinta-feira 2 de fevereiro, foi no sábado do dia 5 que o universo conspirou. Almoçando em um restaurante na zona sul, lá estava nosso prefeito na mesa ao lado, a um braço de distância. Uma impressionante coincidência!

E já que a providência agiu, eu não poderia ficar parado.
Após o término do almoço, João Dória se levantou para sair e lá fui eu ao seu encontro. Eu pensei que poderia ser incômodo, mas a forma que ele me recebeu foi a melhor possível, de sorriso e braços abertos. Me fez lembrar como conheci nosso astronauta Marcos Pontes, em uma viagem de avião em direção a Houston, uma daquelas situações inexplicáveis da vida.
Iniciei cumprimentando o Dória pela excelente gestão e abri o diálogo sobre nossa questão foco na região do Parque D.Pedro, assunto que eu e mais uma dezena de pessoas, minhas companheiras, adotaram nesta imensa cidade como forma de contribuir e doar-se além de nossas necessidades pessoais.

Expliquei a ele nossas conquistas até a última gestão, desde a limpeza do local, a retirada dos entulhos, a iluminação nova, a adaptação para cadeirantes, o emprego de brinquedos, reforma do campinho de futebol, construção da pista de skate e uma nova quadra, a compra de bancos, a construção de um banheiro e a inclusão de aparelhos de atividade motora para a terceira idade. Agora faltava transformar o parque em parque, porque segundo os mapas da prefeitura o local é considerado uma praça. Então comentei que este equívoco não permitia a zeladoria e manutenção destas conquistas, a implementação de segurança GCM e que algo precisava ser feito antes que a degradação começasse.

Percebi que estava certo em meu ímpeto. Dória colocou desconhecer esta questão e que havia razão no meu pleito. Prometeu avaliar a questão junto a sua equipe e que tomaria as medidas necessárias. Me agradeceu pelas dicas e mostrou-se no controle da situação, exatamente como um prefeito deve agir.

Dois dias depois, voltei a encontrá-lo, desta vez na casa do Cônsul de Portugal. Entreguei os abaixo-assinados sobre a questão do parque e um livro “O céu não é o limite” com dedicatória. Nela, descrevi uma premonição: “Ao futuro Presidente do Brasil”.

Quem poderia imaginar, em tão pouco tempo, tantas surpresas!

Posts recentes

Deixe um Comentário

Comments
  • Matheus Lemos
    Responder

    Parabéns Marcos pela iniciativa. Você, o Astronauta Marcos Pontes e o prefeito João Dória, mostram que somos um povo honesto e guerreiro em sua maioria. Tenho orgulho em ter vocês como meus compatriotas. Muito sucesso em tudo que você ainda fará! Abraço.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar